DESCUBRA POÇOS DE CALDAS

No Sul de Minas Gerais, bem na Serra da Mantiqueira, Poços de Caldas faz parte da região vulcânica e proporciona experiências únicas. A começar pela natureza exuberante, a conexão é imediata. Mar de montanhas, cachoeiras que encantam, paisagens que são verdadeiras pinturas, sem contar a fauna, que além de linda, é muito diversa. Tem tanta coisa para ver e viver, que não dá nem vontade de ir embora.

 

A cultura por aqui também é rica. Através da arte que educa e transforma, os museus contam histórias que transportam a um outro tempo, o teatro faz rir, chorar e refletir e a literatura inspira e abre novos caminhos. Além disso, as manifestações culturais e populares trazem música, dança e a tradição de um povo cheio de fé, esperança e diversidade.

 

Quem se aventurar por essa cadeia vulcânica vai voar, literalmente, admirando as mais lindas vistas. Tem muita adrenalina e aquele frio na barriga gostoso que só se sente quando faz algo ainda desconhecido, mas muito aguardado. As montanhas, rochas e trilhas convidam, o tempo todo, para um passeio que ao misturar desafio e contemplação faz tudo valer a pena.

 

Na gastronomia a fama que temos é real. A comida mineira tem um tempero a mais, dizem, deve ser nosso jeitinho. Nossas cervejarias têm qualidade , nossos doces têm tradição, os queijos são saborosos. Os restaurantes misturam boa comida com ambiente aconchegante e atendimento ‘mineiríssimo’ e o resultado só podia ser esse: paladares satisfeitos e corações quentinhos. Não tem jeito, quem experimenta a gastronomia mineira se apaixona e pede mais.

 

Mas, se você está cansado da vida corrida, vem pra cá que as águas que nascem na região vulcânica não são só quentinhas. Elas acalmam, relaxam, recarregam as energias e têm até poder curativo. Famosas por todo o canto, as águas termais e sulfurosas dão aquela sensação de bem-estar que a gente tanto procura nos dias de hoje, pro corpo e pra alma. Dá pra relaxar também nos nossos parques e praças, respirar aquele ar puro e fresco e voltar para casa renovado.

 

Estar em Poços de Caldas é experimentar tudo isso e mais: conhecer gente hospitaleira, curtir o clima de montanha e aproveitar tudo de bom que nosso destino oferece. É poder se desligar um pouco de tudo aquilo que faz a mente ferver e o corpo cansar. É viver a calmaria e sentir a energia boa que vem das nossas montanhas. Poder respirar fundo, desbravar novos caminhos e curtir tudo o que puder. Aproveite e claro, volte sempre!

 

VISITE, CONHEÇA, DESCUBRA POÇOS DE CALDAS!

1/7

LOCALIZAÇÃO

Poços de Caldas é o principal município da região Sul/Sudoeste de Minas Gerais, sendo privilegiada já na sua localização: São Paulo é logo ali, a apenas 260 km de distância. Rio de Janeiro fica a 470 km, e Belo Horizonte a 460 km. E Campinas, que tem um dos melhores aeroportos do Brasil, fica a apenas 170 km.

HISTÓRIA

A história de Poços de Caldas começou a ser escrita a partir da descoberta de suas primeiras fontes e nascentes, no século XVII. As águas raras e com poder de cura foram responsáveis pela prosperidade da cidade quando as terras começaram a ser ocupadas por ex-garimpeiros, que passaram a se dedicar à criação de gado.

 

Na época, 1818, a região onde hoje se situa Poços de Caldas pertencia ao capitão José Bernardes Junqueira. Quando o Senador Joaquim Floriano Godoy declarou de utilidade pública os terrenos junto aos poços de água sulfurosa, determinou também a desapropriação do local. O próprio capitão se encarregou de doar 96 hectares de suas terras para a fundação da cidade. O ato foi assinado no dia 6 de novembro de 1872, data em que se comemora o aniversário de Poços de Caldas.

 

Desde 1886 funcionava na cidade uma casa de banho, utilizada para tratamento de doenças cutâneas. Ela se servia da água sulfurosa e termal da Fonte dos Macacos. Em 1889 foi fundado, por Pedro Sanches, outro estabelecimento para o mesmo fim, captando água da Fonte Pedro Botelho. Ali, a água sulfurosa subia até os depósitos por pressão natural. O balneário não existe mais. Em seu lugar foram construídas, no final dos anos 20, as Thermas Antônio Carlos, um dos mais belos prédios da cidade. Em outubro de 1886, Poços recebeu o Imperador Dom Pedro II. Ele veio acompanhado da imperatriz Tereza Cristina, para a inauguração de um ramal da Estrada de Ferro Mojiana.

 

Três anos depois, a cidade foi desmembrada do distrito de Caldas e elevada à categoria de vila e município. Seu nome tem relação com a história da família real portuguesa. Na época em que foram descobertos os poços de água sulfurosa e térmica, a cidade de Caldas da Rainha, em Portugal, já era uma importante terma utilizada para tratamentos e muito frequentada pela família real.

Como as fontes eram poços utilizados por animais, veio o nome Poços de Caldas. Na década de 40, era dos cassinos, Poços recebia a visita da aristocracia brasileira, que passou a frequentar os salões do Palace Casino e do Palace Hotel. O presidente Getúlio Vargas tinha uma suíte especial no hotel, com a mesma decoração da que ele usava no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, então capital do país. O quarto ainda hoje preserva os móveis e o estilo da época.

 

Entre os políticos, o interventor de Minas Gerais durante o Estado Novo, Benedito Valadares, e o presidente Juscelino Kubitschek, entre outros, foram também presenças constantes. A proibição do jogo, em 1946, e a descoberta do antibiótico tiveram forte impacto para o turismo na cidade. O termalismo deixou de ser a maneira mais eficaz de tratar as doenças para as quais era indicado e os cassinos foram fechados.

 

A economia de Poços sofreu um grande abalo, mas a fase ruim foi superada com a mudança de foco no turismo. A classe média e grandes grupos passaram a frequentar as termas, a visitar as fontes e outros pontos de atração da cidade. Além disso, a cidade abrigou várias
indústrias, impulsionando a economia.