top of page

Instituto Moreira Salles promove homenagem a Laudelina de Campos Mello

Figura central da história do país, Laudelina de Campos Mello (1904-1991) dedicou sua vida ao ativismo negro, feminista e sindical. Nascida em 1904 em Poços de Caldas (MG), começou a atuar como trabalhadora doméstica aos sete anos de idade. Na década de 1930, tornou-se militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e da Frente Negra Brasileira (FNB). Em 1936, fundou a primeira associação de trabalhadoras domésticas do Brasil, na cidade de Santos. Até seu falecimento, em 1991, continuou atuando de forma pioneira pela defesa da categoria.


Com o intuito de celebrar a vida e o legado de Laudelina, o Instituto Moreira Salles realiza uma programação especial no dia 8 de outubro (sábado), das 15h às 17h, em Poços de Caldas (MG), cidade natal da ativista. Devido às reformas do IMS Poços, o evento acontecerá em outro importante local da cidade mineira: o Espaço Cultural da Urca (Praça Getúlio Vargas, s/n - Centro, Poços de Caldas).


A programação gratuita começa às 15h com o espetáculo de música e dança Sobre nossas marcas, apresentado pelos grupos Impactus, Danças Urbanas Union Crew e The Trinity, uma homenagem ao ativismo feminino.


Em seguida, das 15h30 às 17h, haverá um debate em torno dos avanços e desafios que a categoria enfrenta hoje. A mesa será aberta com falas de Tita, professora aposentada e escritora, e da arte-educadora Lúcia Vera de Lima, do projeto Chico Rei. Em seguida, a rapper, professora e ativista Preta Rara conversa com a artista visual Dayane Tropicaos, com mediação de Viviana Santiago, coordenadora de Diversidade e Inclusão do IMS. O bate-papo será transmitido ao vivo pelos canais de YouTube e Facebook do IMS, com interpretação em Libras e legendas automáticas.


O evento reforça a importância de relembrar a memória de Laudelina, que completaria 118 anos no dia 12/10, e da Associação de Empregadas Domésticas no Brasil na luta feminista e antirracista. Fundada nos anos 1930, a associação teve seu funcionamento afetado tanto pela repressão do Estado Novo quanto da Ditadura Civil-Militar. Em 1988, com a promulgação da nova constituição, tornou-se um sindicato. Foi uma das organizações pioneiras na construção da luta desse movimento social que, desde então, vem conquistando direitos essenciais, como a aprovação da chamada PEC das Domésticas, em 2013.

Comments


bottom of page